Artigos

Sem sal nem açúcar

Após o sal, agora o açúcar: A diminuição do açúcar utilizado pelas indústrias alimentícias gerou uma conturbada discussão no mundo todo, dando espaço a mercados alternativos. Veja a situação por nossos olhos:

Estamos presenciando cada vez mais o poder do consumidor frente ao mercado. No mês passado, a multinacional PepsiCo anunciou que, até 2025, pelo menos dois terços de suas bebidas terão no máximo 100 calorias de açúcar adicionado. Esta decisão veio logo depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) chamou a atenção dos países para criarem um imposto sobre bebidas açucaradas, para ajudar a combater o problema da obesidade. De fato, parece que países estão se movimentando frente a isso; Portugal anunciou que adotará esta taxa a partir do ano que vem, seguindo o exemplo de países que já a adotaram, como França, México, Hungria, Finlândia e Noruega. Reino Unido e África do Sul também acompanham esta tendência a partir de 2017.

Com esta inevitável mudança, presenciamos o surgimento de inúmeras linhas de produtos que seguem as exigências do consumidor. A agência de pesquisa e análise de mercado Markets and Markets prevê que o mercado de substituintes do açúcar atingirá US$ 16,53 bilhões até 2020, com crescimento anual de 5,5%. Fornecedores estão de olho nesta mudança e buscando alternativas. Devido ao apelo negativo dos açúcares mais utilizados, a procura por outras fontes percebidas como saudáveis está em alta. 

DOCE SABOR DO AMANHÃ

O açúcar de coco está entre as alternativas saudáveis ao açúcar de mesa, inclusive pelas quantidades significativas de minerais e vitaminas. Vale considerar que há presença de frutose no açúcar de coco, considerado “açúcar inimigo” por ser parcialmente responsável pela síndrome metabólica de “resistência a insulina”. Para aplicações industriais, outros adoçantes em alta são os xaropes de agave e arroz, caracterizados pelo sabor diferenciado e fácil solubilidade em água. O xarope de agave possui baixo índice glicêmico, além de ser mais doce que o açúcar comum. Contudo, ele é composto principalmente por frutose, razão pela qual o xarope de arroz surgiu como alternativa. Apesar do dulçor menor que da sacarose, o xarope de arroz é isento de frutose e possui alta proporção de açúcares de cadeia longa, que retardam o aumento dos níveis de açúcar no sangue.

Não podemos esquecer os edulcorantes naturais, como a stevia e o xilitol, cada vez mais procurados pelas indústrias. Ambos os produtos são agentes anticárie e vantajosos para uso diabético, sendo que a stevia não possui valor calórico e poder de dulçor até 300 vezes maior que a sacarose. O xilitol, diferente da stevia, possui sabor neutro, portanto consegue ser utilizado em um vasto leque de aplicações. O seu poder de dulçor é similar ao da sacarose; o que facilita a substituição em produtos sem fazer necessária adaptação na formulação. 

E O BRASIL?

Para falar a verdade, o uso excessivo de qualquer adoçante, seja comum ou alternativo, pode ser nocivo. A Euromonitor mostra o Brasil como o 9º maior consumidor de açúcar no mundo, com 126,3 g por dia, valor cinco vezes maior que o recomendado pela OMS. Contudo, já há movimentos em nosso país contra isto, evidenciado pelo elevado crescimento de ingredientes alternativos, especialmente à sacarose e glucose.

Entretanto, os substituintes ainda são vistos como produtos de nicho, seja para apelos de saudabilidade ou para a própria redução na tabela nutricional. Os fornecedores de ingredientes estão batalhando para contornar o último empecilho que as indústrias enfrentam: o custo. Por outro lado, os consumidores estão cada vez mais atrás do valor, não do preço do produto.

Até mês que vem – Fiquem DE OLHO! 

Gabriel Weinsberger 

Para críticas e sugestões, peço que entre em contato comigo: gabriel@gramkow.com.br. (Agradeço ainda à Carina Rocha, diretora da Gramkow Alimentos, com a qual elaborei juntamente este artigo)